CUIABÁ

Agronegócio

Mapa e Apex-Brasil trabalham para promover comercialização da cachaça brasileira no mercado exterior

Publicado em

Agronegócio

Começou nesta quarta-feira (04), a 31ª Expocachaça, em Belo Horizonte (MG). O evento é referência do setor no Brasil e vitrine da cadeia produtiva e de valor da cachaça.

Na abertura do evento, entrou em destaque o desafio de ampliar a exportação da bebida. Conforme o Programa asileiro de Desenvolvimento da Aguardente de Cana, Caninha ou Cachaça (PBDAC), dos 1,3 bilhão de litros de cachaça produzidos no Brasil, sendo 75% provenientes da fabricação industrial e 25% artesanais, apenas 2,5 milhões de litros são exportados (1% a 2% da produção nacional). Entre os principais destinos da cachaça brasileira estão: Alemanha, Paraguai, Itália, Uruguai e Portugal.

Buscando solucionar essa questão, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em parceria com a Apex-Brasil, tem levado produtores de cachaça para participarem de feiras internacionais, onde eles podem apresentar o produto e ter acesso a oportunidade de negócios. Recentemente, cinco produtores estiveram presentes em um evento realizado no Reino Unido e, para os próximos meses, feiras em Nova York (EUA) e na Coreia do Sul estão previstas para divulgar a cachaça brasileira. 

Leia Também:  Com queda de preço da gasolina nas refinarias, mercado de etanol recua

A aguardente de cana, primeira bebida destilada mais consumida no Brasil, é produzida em todos os estados, sendo os maiores produtores: São Paulo (45%), Pernambuco (12%), Ceará (11%), Rio de Janeiro (8%), Minas Gerais (8%), Goiás (8%), Paraná (4%), Paraíba (2%) e Bahia (2%). Os três primeiros respondem por quase toda a produção de cachaça industrial. Já a produção de cachaça artesanal está concentrada em Minas Gerais, no Rio de Janeiro, na Bahia e em São Paulo. 

Neste ano, a Expocachaça reúne 150 expositores e a expectativa é que 15 a 20 mil pessoas visitem a exposição para conhecer a bebida.

Fonte: AgroPlus

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Paralisações em frigoríficos causam preocupações em produtores

Publicados

em

A notícia de que plantas frigoríficas seriam paralisadas temporariamente e até definitivamente, tiraram o sono dos pecuaristas durante a semana passada. Segundo informações, frigoríficos estariam dando férias coletivas e até mesmo, fechando definitivamente, determinadas plantas.

A justificativa estaria na falta de animais para compor escalas de abate e desaquecimento da demanda interna por carne bovina, demanda essa responsável por cerca de 65% do consumo de carne produzida.

As plantas indicadas para a paralisação seriam: Nova Andradina (MS); Pontes e Lacerda (MT), Colíder (MT), Alta Floresta (MT); Redenção (PA) e Tucumã (PA). Conforme informado, a única planta que está definitivamente paralisada é a de Nova Monte Verde, em Mato Grosso  

Associação de Criadores do Estado do MT, em nota pública, esclarece:

Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) vem a público manifestar sua preocupação com o atual momento pelo qual passa a pecuária mato-grossense, principalmente em relação ao abate feito pelos grandes frigoríficos. Estes vêm rotineiramente alargando suas escalas, determinando férias coletivas e até o fechamento de muitas plantas, sendo várias delas únicas em suas regiões.

Essa situação tem promovido transtornos e prejuízos incalculáveis aos produtores, principalmente os registrados nos últimos dias quando, coincidentemente, os frigoríficos promoveram quase que simultaneamente a extensão de suas escalas, baixando os valores da arroba do boi.

Sabemos da situação econômica pela qual passa a população brasileira, com perda de poder aquisitivo, mas acreditamos que muitas ações podem ser realizadas, inclusive pelo Governo de Mato Grosso, por meio da redução temporária das alíquotas do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias (ICMS).

Leia Também:  IC-BR cai pela segunda vez consecutiva em julho

A Acrimat está acompanhando essas ações e à disposição para discutir quaisquer sugestões para a melhoria de toda a cadeia produtiva da carne.

Analistas de mercado, falam em uma possível manobra da indústria frigorífica para tentar reduzir o preço da @, já que a previsão do consumo de carne é aumentar neste 2° semestre de 2022, devido a datas comemorativas, como dia dos pais e até mesmo a copa do mundo de futebol que, historicamente, há um aumento no consumo de proteína animal, bem como, a forte demanda de exportações. O que contradiz o cenário que explicaria o motivo de as plantas fecharem por falta de animais para abate.

Em nota o Sindifrigo, comunica que, vários fatores podem estar ligados a essa decisão por parte da indústria de priorizar o fornecimento de carnes para o mercado externo:

É necessária uma visão macro e externa do setor para se encontrar respostas razoáveis para as seguintes questões:

– Houve o ingresso do Brasil em novos mercados;

– A valorização significativa do produto inibiu o mercado interno;

– O ciclo anterior da pecuária diminuiu a oferta de animais;

– O ciclo atual da pecuária trouxe maior oferta de gado;

– Há um custo elevado da alimentação e do manejo;

– Existe uma significativa diferença entre a indústria exportadora e as que detém apenas o mercado interno;

– Ocorre uma diferença monstruosa de mercados que se reflete em diferentes preços para a mesma arroba;

A valorização nominal do quilo do boi ou da carne não correspondem necessariamente à obtenção de margem da atividade nem para o pecuarista tão pouco para a indústria.

Leia Também:  Começam nesta segunda-feira (15) as inscrições para participar da feira SIAL India

Neste universo há um desequilíbrio perigoso em toda cadeia, assim como existem produtores ganhando e perdendo, existem também indústrias neste mesmo contexto.

Como conhecedores dos números, percebemos empresas acumulando prejuízos há meses e não nos cabe intervir em suas tomadas de decisões quanto à maneira de estancar estes prejuízos.

Para cada unidade frigorífica existem milhões investidos, altos valores em fluxo de caixa, seres humanos envolvidos e uma responsabilidade social e econômica daqueles que dirigem esta indústria.

Fechar uma indústria lucrativa seria insano. Manter uma planta aberta por muitos meses com prejuízo seria irresponsabilidade.

E concluí:

Se neste momento a indústria responsável busca alternativas, ainda que a custos altos de adequação de mercado, não podemos de forma alguma pré-julgá-la ou acusá-la.

Segundo consultorias especializadas, as informações sobre a que a falta de gado para abate e enfraquecimento do consumo do mercado interno parece precipitada, já que, as escalas dos frigoríficos bateram recorde nesta entressafra, estando preenchidas em até 12 dias úteis, quanto a queda no consumo interno, as expectativas para os últimos meses do ano é de aumento no consumo, tendo em vista datas comemorativas como dia dos pais, feriados e período de fim de ano, eventos festivos como a copa do mundo que historicamente alavanca um consumo maior de carne vermelha além do período de eleições que também historicamente, há uma maior injeção de capital na economia, consequentemente, eleva o consumo de carne brasileiro.

Fonte: AgroPlus

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA