CUIABÁ

MT

Mauro Mendes vistoria obras do Hospital Central

Publicado em

MT

 “Está andando bem; será o maior e melhor hospital em termos de infraestrutura”

O governador Mauro Mendes e o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, vistoriaram nesta quarta-feira (16.02) as obras do Hospital Central, em Cuiabá, que já estão 25% executadas.

Redesenhado pela atual gestão, o projeto do Hospital Central é executado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) e conta com aproximadamente 32 mil m² de área construída – sendo 9 mil m² da estrutura antiga e 23 mil m² de ampliação.

“Apesar de todos os problemas que o Brasil viveu nesses dois anos de pandemia, com um descompasso muito grande na cadeia de fornecedores e suprimentos, fico muito feliz com o que vi aqui hoje. Uma obra que ficou parada durante 34 anos e que era, sem dúvidas, a maior vergonha da administração pública desse estado na minha opinião. Este será o maior e melhor hospital em termos de infraestrutura”, disse o governador Mauro Mendes.

Já foram realizados procedimentos como fundação, construção da estrutura metálica, alvenarias, laje e rede de esgoto e demolições. A unidade deverá ser entregue em 2023.

Leia Também:  Procon encontra variação de até 194% no preço dos ovos de Páscoa durante fiscalização

O Hospital Central disponibilizará um total de 290 leitos voltados para o atendimento de toda a população mato-grossense. O novo projeto para a unidade prevê 10 salas cirúrgicas, 60 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 230 leitos de enfermaria.

“Nós reformulamos o projeto e ampliamos de forma substancial a estrutura do Hospital Central e já vencemos uma das principais etapas da obra, que era a fundação. Essa unidade será referenciada para o atendimento de demandas da alta complexidade e especialidades que, hoje, nos levam a demandar serviços fora do estado por não haver resolutividade em Mato Grosso”, acrescentou o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo.

Por meio do Hospital Central, o Estado estima oferecer 1.990 internações, 652 cirurgias, 3.000 consultas especializadas e 1.400 exames por mês. Dentre as especialidades previstas para o Hospital Central, estão Cardiologia, Neurologia, Vascular, Ortopedia, Otorrinolaringologia, Urologia, Ginecologia, Infectologia e Cirurgia Geral.

Também participaram da vistoria técnica os secretários de Estado Mauro Carvalho, Alexandre Bustamante e o deputado estadual João Batista.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MT

Balanço inclui prisão em flagrante e diversos materiais apreendidos

Publicados

em

Contratos de compra e venda, nove aparelhos celulares, documentos timbrados da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e material artesanal para atear fogo foram alguns dos itens apreendidos na Operação Jomeri, realizada no sábado (13) na região de Colniza. Foi efetivado também Auto de Prisão em Flagrante Delito por posse de arma de fogo e munições. Dos sete mandados de buscas e apreensões expedidos, quatro foram cumpridos com êxito.

A operação foi um desdobramento da ação fiscalizatória realizada no dia 05 de agosto. A iniciativa foi desenvolvida de forma conjunta pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco Ambiental), Promotoria de Justiça de Colniza, Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), Delegacia Regional de Juína, Delegacia Municipal de Colniza, Grupo de Operações Especiais (GOE), Batalhão de Proteção Ambiental da Polícia Militar e Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema).

As instituições envolvidas na operação acreditam que o trabalho de repressão realizado na região foi primordial para que o “Dia do Fogo” não ocorresse. Levantamentos promovidos pelas equipes de inteligência sinalizavam para uma mobilização em larga escala.

Leia Também:  STF confirma competência de estados, DF e municípios para vacinar adolescentes acima de 12 anos

Até 11 de agosto, dois dias antes da operação, o Corpo de Bombeiros Militar, por meio do Batalhão de Emergências Ambientais, e a Guarnição de Polícia Militar Ambiental da PMMT, já haviam expedido cinco autos de inspeção, cinco autos de infração e cinco relatórios técnicos na região. Cinco propriedades foram multadas por destruição com uso de fogo de aproximadamente nove mil hectares, totalizando R$ 122 milhões.

Além das medidas de busca e apreensão, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso instaurou dezenas de procedimentos de natureza cível, buscando a reparação socioambiental pela degradação já ocorrida. O valor total das indenizações é de R$ 421.731.922,05.

Desde a notícia de que ocupantes de uma das fazendas da região promoveriam incêndio criminoso na área, a Sema, por meio da Superintendência de Fiscalização e o Núcleo de Inteligência, Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental e Batalhão de Emergências Ambientais do Corpo de Bombeiros Militar, posicionaram suas equipes na área de forma ostensiva a prevenir e impedir a ação dos infratores, bem como identificar as pessoas ligadas à incitação lesiva ao meio ambiente. Já foram lavrados 18 autos de infração pela prática de desmate ilegal, que correspondem a 50% do desmate para o município de Colniza.

Leia Também:  Lewandowski autoriza estados a vacinar adolescentes contra covid-19

De 08 a 12 de agosto, o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental aplicou em quatro pontos da região multas de R$ 200 mil por quebra de embargo e de R$ 450 mil por desmate ilegal, totalizando R$ 650 mil. Ao todo, foram fiscalizados oito alertas.

Em Mato Grosso, o uso do fogo está proibido desde o dia 1º de julho e a vedação segue até o dia 30 de outubro.

Fonte: MP MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA