CUIABÁ

Saúde

Fiocruz: casos de síndrome respiratória grave atingem patamar estável

Publicado em

Saúde

A tendência de alta nos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) pode ter sofrido uma interrupção, segundo o mais novo Boletim InfoGripe, divulgado hoje (22) pela Fundação Oswaldo Cruz. O estudo inclui dados da semana epidemiológica 24, que vai de 12 a 18 de junho.

A Fiocruz avalia que, apesar de os números permanecerem altos se for observada a tendência das últimas seis semanas, os dados recentes apontam um patamar estável no número de novos casos, o que caracteriza a formação de um platô.

O boletim é o segundo divulgado pela Fiocruz nesta semana, já que ontem (21) a fundação publicou análise de dados que abarcavam até a semana epidemiológica 23, de 5 a 11 de junho.

Assim como o relatório de ontem, o estudo lançado hoje aponta aumento da participação do SARS-CoV-2 entre os casos de SRAG com teste positivo para vírus: da semana epidemiológica 23 para a 24, essa participação subiu de 71,2% para 80,6%. Já entre os óbitos por SRAG, o coronavírus responde por 94% dos casos quando são considerados apenas as mortes causadas por vírus respiratórios. 

Leia Também:  Dia da imunização: especialistas reafirmam importância de se vacinar

Para o coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes, o quadro de estabilização no número de novos casos de SRAG deve ser encarado com cautela e requer mais dados para que seja confirmado.

“Embora ainda apresentem sinal de crescimento na tendência de longo prazo, os estados das regiões Sudeste e Sul dão sinais de possível interrupção nesse aumento de casos, com formação de platô nas primeiras semanas de junho. Como tivemos o feriado prolongado na última semana, pode ter algum impacto nos registros, por isso a cautela e necessidade de aguardar as próximas atualizações para confirmação do cenário”, disse o pesquisador à Agência Fiocruz de Notícias. 

A tendência de alta na análise das últimas seis semanas se mantém em 13 das 27 unidades da federação: Acre, Amapá, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Rondônia, Santa Catarina e São Paulo. 

A mesma situação é verificada em 16 das 27 capitais: Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Cuiabá (MT), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Macapá (AP), Natal (RN) Porto Alegre (RS), Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Luís (MA), São Paulo (SP) e Teresina (PI). 

Leia Também:  Covid-19 : vacinação infantil é mais lenta em estados com IDH menor

Diferentemente dos adultos, o cenário entre crianças e adolescentes de até 11 anos é de queda no número de casos. Segundo a Fiocruz, no grupo de 0 a 4 anos, os casos continuam sendo fundamentalmente associados ao vírus sincicial respiratório (VSR), embora também haja presença relevante de SARS-CoV-2 (Covid-19), rinovírus e metapneumovírus.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Com baixa cobertura, vacinação contra gripe segue em São Paulo

Publicados

em

A cobertura vacinal contra a gripe na capital paulista está em 55%, segundo dados divulgados pela prefeitura no dia 21 de junho. Para alcançar a meta de 90%, a vacinação segue no município. Na semana passada, as doses do imunizante passaram a ser disponibilizadas para toda a população acima de seis meses de idade. Também estão disponíveis vacinas contra sarampo e poliomielite para crianças menores de 5 anos.

Os imunizantes fazem parte do calendário de multivacinação. As doses contra o sarampo são para crianças acima de 6 meses e menores de 5 anos de idade, além dos trabalhadores da saúde e pessoas nascidas a partir de 1960. As doses contra sarampo e covid-19 não podem ser aplicadas no mesmo dia no caso de crianças com idade entre 5 e 11 anos. A orientação é priorizar a vacina da covid-19 e um intervalo de 15 dias entre as doses.

Para poliomielite, estão aptas as crianças menores de cinco anos, sem histórico vacinal ou com esquema vacinal incompleto, além de adolescentes até 19 anos nas mesmas condições. Também podem se vacinar contra a poliomielite viajantes, imigrantes e refugiados de países endêmicos ou em surto, de qualquer idade, sem registro de aplicação. 

Leia Também:  SP: Procon notifica farmácias sobre falta de testes de covid-19

As vacinas estão disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e nas Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs)/UBSs Integradas. A Secretaria Municipal de Saúde recomenda a apresentação de um documento de identificação com foto e da carteirinha de vacinação.   

A campanha de multivacinação para o público infantil disponibiliza ainda os seguintes imunizantes: tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), tetraviral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela), BCG, pentavalente, vacina inativada poliomielite (VIP), vacina oral poliomielite (VOP), pneumo 10, rotavírus, meningo C, meningo ACWY, varicela, hepatites A e B, febre amarela, DTP (difteria, tétano e coqueluche), dupla adulto, HPV e pneumo 23. 

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA