CUIABÁ

Economia

Empresários do setor de serviços do Rio estão otimistas, diz pesquisa

Publicado em

Economia

Os empresários fluminenses do setor de serviços mantêm a confiança na retomada econômica e no crescimento dos negócios nos próximos três meses. É o que aponta a pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (IFec RJ), da Federação do Comércio do Rio de Janeiro (Fecomércio), entre os dias 2 e 6 de maio. De acordo com a sondagem, 82% dos entrevistados acreditam que a situação melhore ou que melhore muito. Esse percentual é maior que o registrado na pesquisa anterior, quando ficou em 79,5%.

O levantamento indicou ainda que apenas 13,3% esperam que a situação permaneça igual. Os que estimam que a situação dos seus negócios piore ou piore muito chegaram a 4,7%.

Ainda conforme a pesquisa, 31,4% dos entrevistados consideram que o panorama de seus negócios melhorou ou melhorou muito nos últimos três meses. O número supera o da última sondagem que ficou em 28,3%. Para 31,6%, a situação piorou ou piorou muito e 37% indicaram que permaneceu igual.

A demanda insuficiente foi apontada como o principal fator que limita os negócios. Ao todo 45,2% dos empresários indicaram essa dificuldade. Na sequência, estão as restrições financeiras para 45% dos entrevistados. O terceiro limitador dos negócios é a falta de mão de obra para 13,5% dos empresários. A falta de espaço e/ou equipamentos é problema para 12,3% dos entrevistados.]

Leia Também:  BNDES comunica substituição nas diretorias de Finanças e Jurídica

Demanda

Para 38,5% dos entrevistados a demanda pelos bens e serviços de suas empresas diminuiu ou diminuiu muito nos últimos três meses. Na perspectiva dos próximos três meses, 66,9% esperam que a procura aumente ou aumente muito. O que indica certa estabilidade, uma vez que na última pesquisa no mês de abril atingiu 66%.

“Apenas 8,1% acham que a demanda diminuirá ou diminuirá muito nos próximos três meses, enquanto 25% dos consultados acham que se estabilizará”, completou o IFec RJ.

Empregos

Sobre os empregos nos últimos três meses, o levantamento mostrou que 12,8% dos empresários disseram que o quadro de funcionários diminuiu muito e 19% que diminuiu. Apenas 9,2% deles revelaram algum tipo de aumento das contratações nos três meses passados.

Estoques

O abastecimento dos estoques nos últimos três meses ficou igual ao planejado para 54,1%, mas 39,8% relataram que ficou abaixo do planejamento feito. Acima do previsto ocorreu apenas para 6,1%.

Inadimplência

O índice de empresas que não ficaram inadimplentes nos últimos três meses recuou na comparação com a pesquisa anterior. Enquanto em abril, atingiu 51,4%, em maio alcançou 48,9%. As empresas inadimplentes ou muito inadimplentes são 29,2%. Os cinco principais gastos das que tiveram dívidas são os associados a fornecedores (31,1%), aluguel (29%), bancos comerciais e luz (28,3%) e tributos federais (25,4%).

Leia Também:  Poupança tem retirada líquida de R$ 19,67 bilhões em janeiro

Fecomércio RJ

A federação reúne 59 sindicatos patronais, líderes empresariais, especialistas e consultores. A intenção é incentivar o desenvolvimento dos negócios no setor do comércio de bens, serviços e turismo no estado do Rio de Janeiro.

No total a entidade representa mais de 321 mil estabelecimentos, que, segundo a Fecomércio, respondem por 2/3 da atividade econômica do estado e 68% dos estabelecimentos fluminenses. “Gerando mais de 1,5 milhão de empregos formais, que equivalem a 60% dos postos de trabalho com carteira assinada no estado”, completou.  

Edição: Lílian Beraldo

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Caixa paga Auxílio Brasil a beneficiários com NIS final 8

Publicados

em

A Caixa Econômica Federal paga hoje (28) a parcela de junho do Auxílio Brasil aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS) de final 8. O valor mínimo do benefício é R$ 400. As datas seguem o modelo do Bolsa Família, que pagava nos dez últimos dias úteis do mês.

O beneficiário poderá consultar informações sobre as datas de pagamento, o valor do benefício e a composição das parcelas em dois aplicativos: Auxílio Brasil, desenvolvido para o programa social, e Caixa Tem, usado para acompanhar as contas poupança digitais do banco.

Atualmente, 17,5 milhões de famílias são atendidas pelo programa. No início do ano, 3 milhões foram incluídas no Auxílio Brasil.

Veja o calendário:

NIS jun jul ago set out nov dez
1 17/06 18/07 18/08 19/09 18/10 17/11 12/12
2 20/06 19/07 19/08 20/09 19/10 18/11 13/12
3 21/06 20/07 22/08 21/09 20/10 21/11 14/12
4 22/06 21/07 23/08 22/09 21/10 22/11 15/12
5 23/06 22/07 24/08 23/09 24/10 23/11 16/12
6 24/06 25/07 25/08 26/09 25/10 24/11 19/12
7 27/06 26/07 26/08 27/09 26/10 25/11 20/12
8 28/06 27/07 29/08 28/09 27/10 28/11 21/12
9 29/06 28/07 30/08 29/09 28/10 29/11 22/12
30/06 29/07 31/08 30/09 31/10 30/11 23/12
Leia Também:  Preços dos aluguéis sobem 0,81% em março, diz FGV

Auxílio Gás

O Auxílio Gás também é pago hoje às famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), com NIS final 8. Com valor de R$ 53 em junho, o benefício segue o calendário regular de pagamentos do Auxílio Brasil.

Com duração prevista de cinco anos, o programa beneficiará 5,5 milhões de famílias até o fim de 2026, com o pagamento de 50% do preço médio do botijão de 13 quilos, conforme valor calculado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) nos últimos seis meses.

Pago a cada dois meses, o Auxílio Gás tem orçamento de R$ 1,9 bilhão para este ano. Só pode fazer parte do programa quem está incluído no CadÚnico e tenha pelo menos um membro da família que receba o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

A lei que criou o programa definiu que a mulher responsável pela família terá preferência, assim como mulheres vítimas de violência doméstica.

Benefícios básicos

O Auxílio Brasil tem três benefícios básicos e seis suplementares, que podem ser adicionados caso o beneficiário consiga emprego ou tenha filho que se destaque em competições esportivas, científicas e acadêmicas.

Leia Também:  BNDES comunica substituição nas diretorias de Finanças e Jurídica

Podem receber o benefício as famílias com renda per capita até R$ 100, consideradas em situação de extrema pobreza, e até R$ 200, em condição de pobreza.

A Agência Brasil elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o Auxílio Brasil. Entre as dúvidas que o beneficiário pode tirar estão os critérios para integrar o programa social e o detalhamento dos nove tipos diferentes de benefícios.

* O Auxílio Brasil é coordenado pelo Ministério da Cidadania, responsável por gerenciar os benefícios do programa e pelo envio dos recursos para pagamento da Caixa.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA